27 de jul de 2015

CONSTRUINDO MINHA HISTÓRIA

Quando somos felizes, as pessoas de bondade e amor infinito dirigem-se a nós irradiando e emanando essa energia do amor.

Quando estamos tristes, o amor delas é repelido e atraímos os derrotistas, mal agourentos, e lamentosos que insistem em fazer companhia, pois necessitam de ouvintes para desabafar, lamentar e fazer fofocas.



Em minhas viagens pelo mundo encontrei muitas pessoas que tinham aversão ao sucesso alheio, devido ao seu próprio fracasso. Controversamente, elas dizem ter negado o interesse pelo sistema comum de regras sociais, enquanto que, na verdade, sua aversão ao sistema é consequência de sucessivos fracassos em tentar conquistar seus objetivos.

Frustradas com tal situação tentam a todo custo, convencer outros a negarem também seus sonhos e ideais pela segurança familiar e financeira.

Para quem está numa situação, independente se confortável ou não, é sempre melhor que outros compartilhem dessa realidade.

Em geral, todos querem isso por finalidade de construir companheirismo para aumentar em quantidade a classe que representam.

Não é desejável ser minoria quando quantidade representa maior status, poder e respeitabilidade.

Envergonhadas por sua realidade, na tentativa de esconder seu fracasso, assumem uma realidade interpretativa da versão de sua própria história, de que, estão certas e os outros errados.

Dopadas pelo egoísmo que as tornou excêntricas contam, eternizando seus problemas em histórias diferentes, com aparência de objetivos alcançados, enquanto padecem cada vez mais nessa realidade indesejável.

Ao invés de, mudar seu conceito e assumir seu fracasso, mentem.



Foi observando essas pessoas, que pude perceber momentos em que eu estava caindo no fracasso, por me acomodar previamente a cada situação de declínio na luta para alcançar meus objetivos. Ao perceber isso, consegui muitas vezes, abortar temporariamente cada projeto e me preparar melhor para as conquistas desejadas de cada sonho ou objetivo, e então, nesse intervalo, dava início a outro projeto, que logo percebia que não daria conta de alcançar e sequer concluí-lo com excelência ou sucesso. Assim, tornei-me um inventor de projetos diversos, que seguem lentamente e coevolutivamente, sendo amadurecidos para futuramente serem, finalmente concluídos e, muitos já foram concluídos com sucesso.



Durante a leitura do livro Os segredos da mente milionária (de Eker, T. Harv) eu sonhei que uma pessoa entrou em meu quarto, reparou em meu estilo de vida e pessoal, e me disse: “- Vocês são todos iguais!”. E depois dessa acusação, ele saiu fechando a porta, sem dar mais satisfações.

Essa foi uma resposta que emergiu do meu inconsciente, porque eu me negava a aceitar, que para ser bem sucedido, teria que seguir aquele mesmo modelo de empreendedor ensinado no livro. Tratava-se do fato, de que, eu estava sendo muito pobre no estilo de vida que levava, sem apreço pela minha própria imagem, principalmente, em minha consciência.

Mesmo tendo visualizado minha intimidade nesse sonho, eu continuei com minha teimosia, tentando sair de um fracasso, em que já estava rastejando já havia quatro anos, sempre lutando do mesmo jeito que fiz quando caí nesse fracasso.



Um mês depois, tive este outro sonho, recordando-me de informações do mesmo livro de Eker T. Harv.

“Uma amiga do teatro me escreveu uma carta ilustrada e, numa frase em destaque dizia: - Marcelo, não se pode sair do fracasso, permanecendo no mesmo plano, recomeçando do mesmo local e do mesmo jeito que você caiu”.



Esse sonho me mostrou imagens do endereço que eu morava e, que inclusive, me envergonhava. O local era uma espécie de portal do fracasso - fabulosamente falando - e que, todo o meu fracasso partia dali.

Isso me levou a fazer uma investigação, em que descobri que todos os inquilinos que moraram no local antes de mim, haviam falido ou fracassaram logo depois de se acomodar nesse lugar. E, nenhum deles se levantou, enquanto esteve naquele endereço. Alguns, assim que perceberam o iminente fracasso, saíram às pressas, sem se quer, reaver o aluguel que já haviam pagado.

Eu realmente, já havia percebido também que o problema estava no local, porém, acreditava que se eu me dedicasse e trabalhasse muito, conseguiria me recuperar. No entanto, quanto mais eu me esforçava e lutava, mais eu fracassava.

Felizmente, meu inconsciente me alertou através de dois sonhos, usando informações do livro de Eker T. Harv e, eu então, pude reconhecer que não havia solução, a não ser, sair daquele endereço e mudar meu estilo de vida e o meu plano de ação.

E, bastou mudar meu estilo de vida, e uma semana depois, eu consegui mudar de endereço e voltar a prosperar.

Espero que estes dois sonhos que tive, também ajudem muitas pessoas a se autoanalisar e escapar de armadilhas obscuras pelo caminho.

Quando comecei a aplicar com mais entusiasmo, mais experiência e habilidade o método dos dois segundos mágicos, alguns de meus projetos que estavam parados no tempo, finalmente foram finalizados com sucesso e, superando as expectativas. E, foi com menos trabalho e mais foco, menos esforço e mais inteligência e em menos tempo e mais realização.

Praticamente, todos os meus projetos tem íntima relação com o bem estar e a evolução da sociedade, de forma comunitária. Mas, isso não significa que não faço por mim também, afinal, da comunidade eu também faço parte, portanto, o que faço por todos, faço por mim também.

Uma das coisas mais certas que aprendi, é que se gasta mais energia para se cair no fracasso que para se chegar e perpetuar no sucesso.

Até o momento, minha vida teve início, meio e recomeço.


Ainda continuo sendo apenas um “aprendiz de feiticeiro”, que concretizou alguns projetos, mas continuo numa situação de luta para construir uma história e que almejo e acredito terá cada vez mais prosperidade. O meu maior ideal é nunca parar de criar projetos e lutar para realizar todos os que forem possíveis, no menor tempo possível, com o menor esforço possível. Para isso, farei uso de todas as minhas habilidades psíquicas, todos os meus “poderes mágicos”. Porém, tudo ao seu tempo e momento certo sem estresse e sem nada de pressa, afinal, preparei minha mente criativa para aceitar e acreditar que vou viver mais de 120 anos e estou com apenas 39, só que, com o mesmo corpinho de vinte, (risos); é o equivalente a poder nascer e viver mais duas vezes ainda, a diferença é que, nesse segundo terço de vida, eu já “nascerei” com sabedoria e, por isso, posso evitar os erros que cometi na “primeira das três partes da vida”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário